Atualmente, ser diabético é bem comum, por isso é importante ter uma boa alimentação para diabéticos. Diabetes é uma das doenças crônicas não transmissíveis com altas taxas de prevalência.

Segundo a Federação Internacional do Diabetes, aproximadamente 250 milhões apresentam a doença. Dentre esses dados, 10 milhões de brasileiros. Outro dado alarmante é da Sociedade Brasileira de Diabetes. Estima-se que 33% da população brasileira (60-79 anos) têm diabetes ou intolerância à glicose.

Você é diabético? Conhece alguém que possui Diabetes? Então você precisa ler esse artigo.

 

O que é Diabetes?

Diabetes é uma doença crônica de origem multifatorial caracterizada pela deficiência (produção ou ação) do hormônio insulina, o que acarreta em aumento da glicose sanguínea. Os sintomas mais comuns são fadiga, sede, urinar várias vezes ao dia (inclusive à noite), emagrecimento, dificuldade de cicatrização, dentre mais. Se você percebe alguns desses sintomas, procure um médico.

 

Existem diferentes tipos da doença. Você sabe a diferença?

A Diabetes tipo 1, geralmente, é diagnosticada na infância ou juventude. A produção do hormônio insulina é deficiente, sendo necessário o tratamento insulínico. Sem a insulina, nossas células não captam a glicose do sangue para os tecidos, prejudicando todo o metabolismo. Sabe por que isso acontece? Porque glicose é a maior fonte de energia para o nosso organismo. Já o tipo 2 é relacionada aos fatores genéticos hábitos de vida, incluindo sedentarismo e má alimentação. O organismo passa a apresentar uma resistência à insulina.

Há a diabetes gestacional. Esta é desenvolvida na gestação e pode se estender após o parto ou não existir mais. É importante lembrar que o cuidado com a alimentação deve ser constante, já que mulheres que apresentam diabetes gestacional possuem maiores chances de desenvolver o tipo 2 da doença.

Já ouviu falar em pré-Diabetes? Essa situação corre quando o organismo apresenta uma resistência ao hormônio insulina, elevando a glicemia. Esses indivíduos ainda não são classificados como diabéticos e devem buscar auxílio profissional para prevenir a doença.

O tratamento é baseado em três fatores: alimentação para diabéticos, exercícios físicos e tratamento medicamentoso.

Quer aprender melhor sobre alimentação para diabéticos? Você está no lugar certo!

Uma alimentação para diabéticos não representa apenas comidas sem sabor, alimentos especiais, diet, light, mas sim uma alimentação balanceada e recheada de nutrientes. A ênfase de uma alimentação para diabéticos deve ser a moderação das porções e horários regulares.

Para uma alimentação para diabéticos ser completa e eficaz é preciso uma avaliação completa com um nutricionista. O profissional irá adequar sua alimentação para que não fique fora do peso adequado. Se você tem sobrepeso ou obesidade, lembre-se que o excesso de gordura pode te prejudicar.

O plano alimentar será baseado no peso, sexo, idade, exames bioquímicos, doenças intercorrentes, nível de atividade física, medicação, além de condições culturais e socioeconômicas. Todo individuo diabético necessita de um plano alimentar individualizado, com orientações específicas para o seu caso.

alimentacao-para-diabeticos-13-dicas-6-vantagens-boa-alimentacao

 

Conheça 6 vantagens de uma adequada alimentação para diabéticos:

  1. Qualidade de vida.
  2. Menor risco de complicações como machucados com cicatrização demorada, danos renais e visão prejudicada.
  3. Menor risco de futuras doenças cardiovasculares
  4. Exames com melhoras nos resultados (glicemias normalizadas)
  5. Manutenção ou conquista do peso adequado.
  6. Controle de comorbidades (hipertensão arterial, hipercolesterolemia)

 

Carboidratos não são proibidos!

Carboidratos não podem ser consumidos em excesso porque são os responsáveis pelo aumento da glicemia. Porém, são necessários para uma boa alimentação para diabéticos.

Os carboidratos estão presentes em massas, cereais, doces, frutas e até mesmo hortaliças. Devem ter porções moderadas na alimentação para diabéticos. Doces e alimentos ricos em sacarose não são extremamente proibidos, mas devem ser controlados. O consumo de doces não é recomendado, mas se consumidos deve-se reduzir o consumo de outras fontes de carboidrato naquela refeição.

 

Fique atento!

Frutas não podem ser consumidas em excesso por serem fontes de carboidratos simples. Consuma de 3 a 4 porções diárias, conforme recomendação do seu nutricionista.

E o açúcar? Evite ao máximo. Se consumir, faça isso de acordo com o seu plano alimentar. É bom lembrar que mel e melado também são ricos em sacarose.

 

Alimentos diet e light são liberados?

É preciso cautela e entender o que são esses alimentos.

  • “Light”: produto que tem redução de no mínimo 25 % de um dos componentes em relação a versão original do produto.
  • “Diet”: produto com ausência de um nutriente. No caso de diabéticos, podem ser produtos isentos de sacarose, mas que possuem alto teor de gorduras e valor calórico, aumentando o peso. É preciso cuidado!

Confira o rótulo e tenha orientação profissional do que consumir.  A informação nutricional e os ingredientes podem te ajudar.

 

13 Dicas para as refeições de uma alimentação para diabéticos:

  1. Faça de 5 a 6 refeições diárias, segundo orientação nutricional.
  2. Siga uma boa alimentação para diabéticos todos os dias, não deixe os finais de semana livres.
  3. Mantenha os intervalos (máximo de 4 horas) e horários das refeições.
  4. Não deixe de fazer uma refeição. Se atrasar, não fique sem comer nada para evitar a hipoglicemia.
  5. Prefira o leite e seus derivados na forma desnatada.
  6. Não coma mais que 4 porções de frutas e nem todas as porções de uma só vez.  De preferência, com a casca e uma porção de alguma fruta cítrica (laranja, tangerina, melão, etc).
  7. Evite sucos concentrados de fruta. Um copo de suco de laranja não contém apenas uma laranja.
  8. Prefira cereais integrais. São ricos em fibras que ajudam a liberar o açúcar no sangue aos poucos, controlando a glicemia.
  9. Nunca se alimente apenas de cereais e leguminosas. Vegetais sempre são bem-vindos e saladas de folhas podem ser consumidas sem muita moderação. Consuma de de três a cinco porções de hortaliças (cruas e cozidas).
  10. Não misture e nem repita alimentos ricos em carboidratos na mesma refeição. Um exemplo é ingerir arroz e macarrão ou batata.
  11. Não consuma alimentos ricos em gorduras, principalmente de origem animal.
  12. Ao consumir carnes, prefira os cortes magros.
  13. Evite o consumo de frituras, chocolate, doces, tortas, refrigerantes, sorvetes, embutidos e molhos prontos.

 

Adoçantes

A melhor dica é procurar um profissional para saber qual é o adoçante mais indicado para o seu caso.

Adoçantes são isentos de calorias e devem ter suas quantidades controladas: 1 sachê/200 mL ou 3-5 gotas/200 mL. Algumas opções que encontramos no mercado são compostas por ciclamato, sacarina, aspartame, acessulfame K, stévia, sucralose. Como informação geral, sempre prefira os adoçantes naturais (steviosídeo ou sucralose).

 

Dica importante!

Use farinha de maracujá e farelo de aveia que são ricas em fibras solúveis e possuem ação hipoglicemiante. Podem ser acrescentadas em frutas, receitas com farináceos e bebidas. Recomendado: 2 colheres de sopa diariamente.

 

Conclusões:

  • Quer manter a glicemia dentro da normalidade? Tenha uma boa alimentação.
  • Água é essencial. Consuma no mínimo 2 L de água/dia.
  • Aceite que uma adequada alimentação para diabéticos é a melhor opção e um grande passo para ter qualidade de vida.
  • Não exagere nas porções. Alta ingestão calórica não é indicada nem com os alimentos mais indicados.
  • Tenha bons hábitos de vida. Não fume e não consuma bebidas alcoólicas.
  • Queira viver bem e persista numa boa alimentação para diabéticos. Vale a pena!

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *